domingo, 4 de outubro de 2009

PRIMEIRA POSTAGEM

Com o intuito de botar pra fora o que está remoendo meu coração decidi criar esse blog. Muito do que será escrito deveria ser falado, mas, talvéz falta coragem...ou outra coisa...enfim...
Sabe quando você quer muito falar algo e tudo que você consegue dizer é... Nada..., pois eh, então nada melhor que escrever.
Ultimamente escrever para mim parece a melhor saida para acalmar a alma e me sentir melhor, ah, sem falar as orações que faço, claro, Deus tem sido meu melhor companheiro nas últimas semanas.
Nem o trabalho, que eu amo de paixão, está conseguindo preencher o vazio de ...

Queria que tudo fosse diferente.
Logo na minha vez?
Tempo...será que é tempo mesmo?

Aninha

2 comentários:

  1. Oi Aninha...

    Seja bem vinda!!

    Gr Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu convido você a visitar meu blog e desabafar lendo os meus textos. Eis aí um dos muitos.

    .........................................

    Um amigo me perguntou:

    “Por que na nossa sociedade nós valemos o que temos, e não o que somos?”

    Eu o disse:

    “É por causa do nosso treinamento; por causa do nosso condicionamento. Já na infância somos ensinados que não somos. É assim que acontece: o pai olha para o filho e o pergunta, “o que o meu filho quer ser quando crescer?” Observe, o filho não é ainda, ele ainda precisa ser. E o que é ser nesta forma de tomar a palavra?! Ser neste contexto é: ter um diploma, uma posição, dinheiro, poder, propriedades...”

    De fato, para a sociedade não somos a verdade, e sim uma ilusão que se manifesta na imagem que as pessoas criaram de nós.

    A sociedade tem treinado as crianças para se comportarem vivendo como se fossem apenas o objeto da percepção. E cada criança tem se identificado com isso, cada ser humano tem vivido como se fosse o corpo, o nome, o título, a imagem que tem de si ou a imagem de si criada pela sociedade. Mas ninguém é isso em realidade, nós somos a consciência que percebe que nada disso é verdade.

    Edson Carmo

    ResponderExcluir